Como será a escola do futuro? Conheça 4 tendências da educação

A escola é vista normalmente como uma instituição que leva mais tempo para ser afetada pelo desenvolvimento tecnológico. A própria disposição da sala de aula, com o professor em pé na frente dos alunos, é a mesma há muito tempo. Porém, embora essa imagem perdure, o fato é que a educação não está alheia às transformações tecnológicas, e o futuro aponta para mudanças significativas na forma de ensinar e aprender.  

Confira neste artigo tendências e projeções de como a escola será no futuro, conforme a tecnologia entre de vez no dia a dia da comunidade escolar. Aproveite para conhecer um pouco mais sobre Educação 3.0, que tem tudo a ver com esse tema. Boa leitura!

Quatro tendências da escola do futuro

A internet e o desenvolvimento da tecnologia colocam em xeque antigos paradigmas e põem à prova antigas “certezas definitivas” em relação ao papel da escola na formação humana. Toda essa transformação coloca especialistas, gestores e educadores para pensar em novas formas de organizar a vida escolar, formar um currículo adaptado às exigências contemporâneas e projetar o futuro. Conheça quatro tendências que se colocam quanto ao futuro da educação.

Inovação aplicada à sala de aula  

Inovar é mais do que apenas inventar algo ou fazer algo inédito; é também pensar nas melhores formas de fazer algo, ou seja, compreender um processo e trabalhar para a evolução dele. O uso de aparatos tecnológicos em sala de aula, como tablets, laptops e smartphones, é importante, mas não são garantia de inovação. É preciso entender como extrair dele novas possibilidades de interação no processo de ensino-aprendizagem.  

Os recursos tecnológicos têm um papel facilitador na vida escolar, mas podemos acompanhar tendências inovadoras na inovação para além desses aparatos. Essas inovações buscam trazer mais autonomia ao estudante, que passa a ser sujeito ativo no aprendizado. Entre as inovações recentes e que podem se tornar predominantes está o ensino a distância. Diversas plataformas online já contam com recursos como videoaulas interativas, avaliações online e feedback automatizado.

A capacitação de educadores nesse processo é fundamental: cada vez mais professores precisarão estar prontos para adaptar a linguagem de suas aulas e saber usar as ferramentas para aulas digitais.

A gamificação é outro recurso inovador que será cada vez mais utilizado nas aulas. Jogos são motivadores, estimulam o raciocínio, geram envolvimento e fortalecem a sociabilidade. Assim, a gamificação aplicada ao ensino, ou seja, a possibilidade de usar jogos como meio de aprendizado e desenvolvimento cognitivo, faz com que os estudantes elevem seu interesse pelas disciplinas e cria uma ótima oportunidade de interação real com o conhecimento.

Tecnologia aplicada à gestão escolar

Muitas vezes alunos e pais de alunos não se dão conta do trabalho de bastidores para que as aulas aconteçam de forma satisfatória. Embora imprescindível para o ensino, o professor não é o único profissional fundamental numa escola; uma boa gestão escolar é essencial para que se obtenham bons resultados educacionais.

Para isso a tecnologia também pode ajudar bastante. Prover um sistema integrado de gestão educacional é uma forma de trazer inovação ao dia a dia escolar, reduzindo burocracias, melhorando o mapeamento de ações pedagógicas e permitindo à escola trazer soluções rápidas para as dificuldades cotidianas.

Em portais online e aplicativos, o próprio estudante consegue acompanhar suas notas, frequência, quadro de horários, situação financeira e até mesmo fazer avaliações parciais. Também por meio da tecnologia, pais e estudantes podem ter uma interação maior com a escola, ainda que a vida esteja cada vez mais corrida.  

Transmissões ao vivo

Sabemos que aulas gravadas têm limites de interação e coparticipação que as aulas presenciais não têm. Ainda que a modalidade de ensino a distância venha a se efetivar para a educação básica, certamente aulas com transmissão ao vivo ainda serão necessárias para estabelecer ou fortalecer esse contato direto entre alunos e professores.

Cada vez mais comuns, as aulas ao vivo, em seus diversos formatos, caem no gosto de professores e instituições de ensino, pela possibilidade de atingir muito mais pessoas ao mesmo tempo. Os “aulões” virtuais abertos são uma forma de trazer conhecimento e debate com potencial de atingir grandes massas de estudantes, por meio de plataformas como YouTube, Instagram, Zoom, entre centenas de outras.

Uso de realidade virtual e aumentada com objetivos pedagógicos

Alguns temas na vida escolar aguçam a imaginação dos estudantes. Como era a vida dos dinossauros? Como eram as vestimentas dos contemporâneos da Idade Média? Como “visualizar” uma equação ou fórmula em uma aplicação real? Com o uso de realidade virtual, o estudante consegue aprender utilizando seus sentidos e participando de uma experiência interativa com os objetos de aprendizagem.

Áreas do conhecimento que exigem experimentos difíceis e arriscados de serem reproduzidas em ambiente escolar podem, por exemplo, trabalhar com aplicações de realidade virtual e aumentada. Imagine, por exemplo, quantas horas em simuladores de voo tem um piloto em formação antes de pilotar um avião real. A tecnologia de realidade virtual e aumentada permite essa capacitação prévia. Imagine então esse princípio aplicado para estudantes de ensino fundamental e médio. É possível que em alguns anos esse seja um recurso comum em muitas escolas.  

Scroll to top